» A Federação » CEAF-AM » Ouvidoria » Regulamento Geral de Competições » Poderes da FAF » Estatuto » Estádios » Presidência » Diretoria » Conselho Fiscal » Notas Oficiais
Amazonense Feminino 2018 Amazonense Série B 2018 Amazonense Sub-17 2018 Amazonense Sub-15 2018 Copa dos Rios 2018
» Curso de Arbitragem » Escalas de Arbitragem » Relação dos Árbitros
» Composição » Corregedoria » Editais » Portarias » Resoluções » Resultado de Julgamento » Decisões » Punições » Acordãos » Notícias » Atos da Corregedoria » Tabela de Taxas, Custos e Emolumentos » Contato
» Galerias » Vídeos
» Fale Conosco » Fale com o Presidente
» Calendário 2018

NOTÍCIAS
Enviar por e-mail Compartilhar Imprimir

13.04.2018 - 13:05  |  Série D 2018

Campeão da Série C com Joinville-SC e ex Paysandu-PA fecha com o Nacional

www.nacionalfc.com.br

Meia Jailton desembarcou em Manaus na madrugada desta sexta (13). O jogador defendia o Marília-SP antes de acertar com o Leão

 Natural de Cubati-PB, município com pouco mais de 10 mil habitantes, o meia Jailton é o único atleta de sua cidade e agora também representa o interior da Paraíba no elenco do Nacional Futebol Clube.

 
O jogador que desembarcou em Manaus, na madrugada desta sexta- feira(13), defendia as cores do Marília-SP antes de acertar com o Leão.
 
Jailton, de 27 anos, tem na carreira o título da Série C, pelo Joinville-SC em 2011. Ele conta porque aceitou o desafio de jogar pela primeira vez a Série D do Brasileiro e no Amazonas.
 
“O acesso do Nacional à Série C é um sonho a ser realizado e estou aqui para alcançar mais esse sonho na minha vida. Já tive acesso na carreira, sei o quão grande é uma conquista dessas. Por isso, aliando à grandeza do clube, da capital e do estado, então nada mais junto que colocar o Naça, um clube tão tradicional num patamar bem mais alto”, afirma.
 
Questionado sobre vestir a camisa nacionalina, Jailton agradece a oportunidade e garante estar consciente de sua responsabilidade.
 
“Eu agradeço a Deus pela oportunidade. Podem ter certeza que darei o meu melhor, para batalhar e lutar com meus companheiros dentro e fora de campo. Estou consciente que tenho a obrigação de honrar a camisa do Nacional Futebol Clube. É isso que sei fazer, eu nasci para isso, jogar futebol”, destaca.
 
Carreira, ídolo e os amigos na Chapecoense
 
Revelado pelo Campinense-PB em 2009, Jailton estreou fazendo gol no Estadual, mesmo ano em que também jogou a Série B. Inspirado em nada menos que Ronaldinho Gaúcho, ele não hesita em elogiar o ídolo. “Vai ser difícil encontrar alguém igual a Ronaldinho Gaúcho. Ele era completo. Jogador com habilidade. Pelo futebol não vi nenhum se comparar a ele”.
 
Talentoso, o paraibano não demorou para alçar voos mais altos. Ele jogou a Série A, pelo Atlético Paranaense e tem passagens pelo Paysandu-PA, Luverdense, mas foi no Joiinville-SC e Avaí-SC que guarda as melhores lembranças de sua carreira.
 
No primeiro, ele foi campeão da Série C em 2011 e bicampeão da Copa Santa Catarina 2011/2012.
 
Nas passagens pelos dois clubes catarinenses, ele revelou que teve a honra de jogar com Cleber Santana (Avaí), Bruno Rangel e Arthur (Joinville), os três companheiros estavam no fatídico acidente que vitimou 71 pessoas na queda da aeronave que levava a delegação da Chapecoense a Colômbia, onde disputaria a final da Sul-americana, em 2016.
 
Emocionado, ele conta que tinha boa relação com os três, sempre mantinha contato, mas Bruno Rangel era o mais próximo, inclusive foi a esposa de Jailton, a Brenda, quem deu a notícia do acidente à esposa do jogador, a Girlene.
 
“Foi muito difícil! Perdi três amigos numa tragédia que até hoje não tem explicação. Eu e Bruno Rangel fomos campeões no Joinville. Sempre nos falávamos. Certa vez, ele pela Chape e eu pelo Paysandu, nos enfrentamos, trocamos camisas e guardo até hoje. Fiz um quadro e vejo a imagem dele comigo”, disse.
 
Jailton fala em recomeço, saudade e boas lembranças. “Sempre peço a Deus que conforte nossos corações, principalmente das famílias deles, das esposas. Foi um momento de muita tristeza, afinal, eles estavam esbanjando felicidade e realização. Mas agora é continuar. Inclusive, jogar futebol é um forma de prestar homenagens a eles que foram homens tão dedicados as suas profissões. O que fica é a saudade e as boas lembranças”, finaliza.
 
 
Fonte:www.nacionalfc.com.br
 
assessoria/FAF
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Nome:

E-mail:

* Seu e-mail não será publicado

Mensagem:
CURTA A FAF

Av. Constantino Nery, 282 - Centro.

Telefone: (92) 3232-9491

© 2015-2018. Federação Amazonense de Futebol.

Todos os direitos reservados.